Sarcoma

     O sarcoma é um tipo de câncer que surge nas células mesenquimais (células dos músculos, vasos sanguíneos e linfáticos, nervos, gorduras e ossos).  Ele surge com maior frequência nas extremidades (membros superiores e membros inferiores), mas podem acometer qualquer parte do organismo.

     A classificação do sarcoma, mais utilizada mundialmente, separa o sarcoma em dois grupos principais:  o sarcoma de baixo grau e o sarcoma de alto grau.  Essa classificação é muito utilizada pela equipe especializada na escolha da melhor opção terapêutica.  O sarcoma de baixo grau, do ponto de vista biológico é um tumor com comportamento menos agressivo e geralmente apresentam bom prognóstico.

     Os sintomas dos sarcomas variam em função da sua localização e tamanho.  Os tumores de extremidades surgem inicialmente como um nódulo indolor que com o passar do tempo e crescimento da lesão podem se manifestar com dor, sangramento, dormência e diminuição da  força dos membros.  As lesões abdominais são inicialmente assintomáticas e quando diagnosticadas podem se manifestar com sintomas digestivos como náuseas, vômitos e dor abdominal.

     O sarcoma, na maioria das vezes, surge como um nódulo de crescimento progressivo, que pode ser lento ou de crescimento rápido.  Inicialmente se apresenta como uma lesão inocente e muitas das vezes é diagnosticado de forma equivocada como "lipoma".

     Os sarcomas podem ser classificados em dois tipos principais: os sarcomas ósseos e os sarcomas de partes moles.  Em relação aos sarcomas de partes moles, existem mais de 50 subtipos de sarcomas e cada um se comporta de forma clinica variada. Existem sarcomas que se manifestam com metástase linfonodal embora essa manifestação raramente são encontradas na maioria dos tumores.  Os tipos mais frequentes são o lipossarcoma, o sarcoma pleomórfico, o leiomiosarcoma e o sinoviosarcoma. 

    A classificação do sarcoma mais utilizada mundialmente, separa o sarcoma em dois grupos principais:  o sarcoma de baixo grau e o sarcoma de alto grau.  Essa classificação é muito utilizada pela equipe na escolha da melhor opção terapêutica.  O sarcoma de alto grau, do ponto de vista biológico é um tumor com comportamento mais agressivo.  Esses tumores frequentemente se manifestam com nódulo/massas de crescimento rápido.  Podem evoluir com ulceração e sangramento.     

      O termo sarcoma pleomórfico se refere a um tumor de partes moles, composto de células mesenquimais que se diferenciaram ( apresentam características ) das diversas linhagens de células mesenquimais (gordura, músculo, nervo e outras).  Frequentemente se apresentam com lesões de crescimento rápido, evoluem com ulceração e sangramento.  São tumores mais agressivos.

     O tratamento do sarcoma é multidisciplinar e envolve diferentes profissionais.  O pilar principal do tratamento é a cirurgia, ou seja, a remoção do tumor com auxílio de um procedimento cirúrgico, que o tipo varia em função do tamanho e localização da lesão.  A quimioterapia e a radioterapia são também utilizadas em casos selecionados e como complemento do tratamento cirúrgico.

     Os exames têm como objetivos principais a avaliação local do tumor e a presença de metástases à distância.   Para avaliação local a Ressonância Magnética é o melhor exame.  O principal local de metástase dos pacientes com sarcoma de partes moles é o pulmão e o exame com maior sensibilidade na detecção desses implantes é a Tomografia Computadorizada do Tórax.

      A cirurgia do sarcoma evoluiu.  No passado, a amputação era a única forma de tratamento; no entanto, nos dias atuais, na imensa maioria dos casos, os sarcomas de partes moles de extremidades são tratados com cirurgia preservadora de membro.  A amputação fica reservada para casos localmente avançados onde tumor envolve o feixe vascular e neural.  Todo caso deve ser considerado individualmente no sentido de preservar o membro.  Em algumas situações, a preservação não é possível.  

    Não existe associação de causa e efeito entre o traumatismo e o sarcoma.  Na verdade, o  trauma chama atenção de uma lesão existente, antes não percebida.    A radioterapia é um fator de risco para o surgimento do sarcoma de partes moles, são os sarcomas radioinduzidos.  Frequentemente são lesões de alto grau.

 

Luiz Fernando Nunes

LEBLON | RIO DE JANEIRO

RUA CARLOS GÓIS 375 - SALA 601

(21) 2512-9667  (21) 98845-6762

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram