top of page

Dermatofibrossarcoma Protuberans



      O Dermatofibrossarcoma protuberans (DFSP) é um sarcoma de baixo grau, que surge na pele. Se caracteriza por ser uma lesão de célula fusiforme, monomórfica e mononuclear que acomete a pele e o subcutâneo. São considerados lesões de baixo grau porque raramente evoluem com metástase à distância. No entanto, são lesões com o potencial elevado de retornar após o tratamento cirúrgico inicial o que chamamos de recidiva local. O DFSP pode surgir em qualquer parte do corpo, mas localizam-se principalmente no tronco (50%). Os outros 50% ficam distribuídos nas extremidades (30%) e na cabeça e pescoço (20%). Clinicamente se apresentam com um nódulo subcutâneo, são mais frequentes em pessoas jogens de meia idade. Geralmente apresentam crescimento lento e persistente.


      Histologicamente são similares ao fibrohistiocitoma benigno, porém cresce com um padrão mais infiltrativo, permeando os septos fasciais no tecido subcutâneo, e tendo extensão não identificável podendo a lesão se estender distante do nódulo principal. Ao contrário do fibrohistiocitoma benigno, o dermatofibrossarcoma marca para o CD34 e mais de 75% destes tumores apresentam translocação t(17,22).

        O tratamento cirúrgico com margens alargadas que variam de 1 a 3 cm é a principal forma de tratamento. Em algumas situações, quando houver necessidade de extensas ressecções, pode haver necessidade de retalhos cirúrgicos para a reconstrução local. A cirurgia com menor taxa de recidiva local é a cirurgia micrográfica de Mohs. A taxa de recidiva é superior a 50% após excisão simples e menor que 5% após excisão alargada com atenção especial as margens. Em síntese, se resume a ressecção e análise microscópica do material removido no momento da cirurgia, objetivando remover todo tecido tumoral evitando a remoção de tecidos saudáveis e como consequência, melhor resultado estético e oncológico.  


   Estes tumores são sensíveis ao Imatinib e a aparente razão é que existe um fator de crescimento derivados da plaqueta autócrino que tem seu receptor bloqueado pelo Imatinib. O uso desta droga é autorizado pelo US- FDA como droga de 1ª linha para o tratamento de doença avançada. As metástases ocorrem raramente para os pulmões e para os linfonodos regionais, tipicamente quando alterações fibrossarcomatosas estão presentes na lesão primária ou recorrente. Existe uma variante pigmentada do tumor conhecido como Tumor de Bednar.


101 visualizações0 comentário

Коментарі


Luiz Fernando Nunes

LEBLON | RIO DE JANEIRO

RUA CARLOS GÓIS 375 - SALA 601

(21) 2512-9667 

  • YouTube
  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
bottom of page