top of page

Melanoma Acral: um olhar sobre o câncer de pele no pé, mão ou na unha

O câncer de pele é uma condição que desperta preocupação global devido à sua prevalência e complexidade. Entre os variados tipos de câncer de pele, o melanoma acral, que surge na planta dos pés, mãos e região subungueal, tem atraído atenção especial devido à sua natureza incomum e falta de compreensão sobre suas causas. Neste artigo, exploraremos o cenário atual do conhecimento sobre o melanoma acral, com foco na falta de causa definida e nas teorias que cercam sua origem.



A etiologia do melanoma acral ainda permanece como um enigma para a comunidade médica e científica. Ao contrário de outros tipos de melanoma que têm associações claras com a exposição ao sol e fatores genéticos, o melanoma acral não apresenta uma relação tão direta com esses fatores. Estudos têm se concentrado em entender o papel do estresse e do traumatismo local como possíveis mecanismos para o seu surgimento. Pesquisas indicam que o melanoma acral tende a se desenvolver em áreas do pé que suportam mais peso, como o calcanhar, o antepé e a região lateral, em comparação com a região palmar. No entanto, essa teoria ainda não fornece uma explicação completa para todos os casos.


Uma descoberta intrigante é a relação entre o melanoma acral e a obesidade. Embora o melanoma localizado no arco plantar seja menos comum, estudos têm revelado uma tendência de maior incidência em pacientes obesos. Essa associação levanta questionamentos sobre possíveis conexões entre o acúmulo de gordura, processos inflamatórios e desenvolvimento do câncer de pele nos pés. No entanto, mesmo essa ligação não oferece uma explicação universal, pois o melanoma acral pode afetar pessoas com diferentes perfis de peso.


O melanoma acral permanece como um mistério na arena da oncologia. Sua origem e desenvolvimento desafiadores destacam a necessidade contínua de pesquisa e exploração. Embora teorias como o estresse local, traumatismo local e obesidade tenham sido propostas como fatores contribuintes, nenhuma causa definitiva foi estabelecida. A ausência de uma explicação abrangente ressalta a complexidade da biologia do câncer e a necessidade de estudos multidisciplinares para decifrar os enigmas que cercam o melanoma acral. À medida que a pesquisa avança, espera-se que novas informações possam surgir, eventualmente oferecendo insights vitais para prevenção, diagnóstico precoce e tratamento mais eficaz dessa forma rara e desafiadora de câncer de pele.



19 visualizações0 comentário

Luiz Fernando Nunes

LEBLON | RIO DE JANEIRO

RUA CARLOS GÓIS 375 - SALA 601

(21) 2512-9667 

  • YouTube
  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
bottom of page