top of page

Desafios no manejo do melanoma cutâneo localizado: rumo à padronização do cuidado

O melanoma cutâneo, uma forma agressiva de câncer de pele, apresenta desafios únicos em seu manejo, especialmente nos estágios iniciais I e II. A abordagem correta desses casos requer não apenas o entendimento dos princípios fundamentais para tratar a lesão primária, mas também o conhecimento aprofundado do manejo linfonodal. Com a crescente incidência global desta doença, torna-se essencial debater a padronização dos cuidados aos pacientes com melanoma cutâneo, visando alcançar metas cruciais em termos de estadiamento, prognóstico, controle locorregional da doença e, principalmente, a maximização das oportunidades de cura.


O estadiamento e prognóstico preciso são elementos-chave no cuidado do melanoma cutâneo. A determinação rigorosa do estágio da doença permite uma avaliação mais precisa do risco e, portanto, guia as decisões terapêuticas apropriadas. Além disso, o acompanhamento de pacientes com melanoma localizado nos estágios I e II ao longo do tempo é fundamental para monitorar qualquer progressão ou recorrência. Nesse cenário, a padronização dos protocolos de vigilância e a incorporação de tecnologias como a biópsia do linfonodo sentinela desempenham um papel vital na detecção precoce de eventual metástase oculta.


O controle eficaz da doença locorregional, por sua vez, é essencial para realizar o diagnóstico precoce da progressão regional além da lesão primária. A compreensão profunda da disseminação linfonodal e do envolvimento ganglionar é crucial para determinar a extensão da doença e para planejar intervenções terapêuticas adequadas, incluindo a biópsia do linfonodo sentinela (linfadenectomia seletiva). Além disso, terapias adjuvantes, como a imunoterapia e terapia-alvo, têm desempenhado um papel crescente no combate ao melanoma avançado, melhorando as perspectivas de sobrevivência.


Em um mundo onde a incidência de melanoma cutâneo continua a aumentar, a padronização do cuidado dos pacientes assume um papel crucial na luta contra essa doença desafiadora. Estabelecer protocolos de manejo que abordem os principais objetivos de estadiamento e prognóstico, controle da doença locorregional e otimização das chances de cura é fundamental para garantir que cada paciente receba a atenção adequada e oportunidades de tratamento inovadoras. Ao unir esforços para aprimorar nossa compreensão e abordagem ao melanoma cutâneo, podemos aspirar a melhores resultados e garantir uma jornada mais esperançosa para aqueles afetados por essa condição complexa.



20 visualizações0 comentário

Luiz Fernando Nunes

LEBLON | RIO DE JANEIRO

RUA CARLOS GÓIS 375 - SALA 601

(21) 2512-9667 

  • YouTube
  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
bottom of page