top of page

A revolução da biópsia do linfonodo sentinela no tratamento do melanoma cutâneo

O melanoma cutâneo é um câncer de pele que, quando diagnosticado em estágios iniciais, geralmente apresenta um prognóstico favorável. No entanto, a preocupação com a disseminação da doença para os linfonodos próximos sempre foi um desafio na abordagem terapêutica. Com uma taxa de metástase linfonodal de aproximadamente 20%, os cirurgiões buscavam uma maneira mais precisa de determinar quais pacientes se beneficiariam da linfadenectomia, uma cirurgia para a remoção dos linfonodos. Diante desse cenário, surgiu a técnica da biópsia do linfonodo sentinela.


Até então, a prática da linfadenectomia eletiva era comum em pacientes com melanoma estágio I e II, que apresentavam um risco intermediário ou elevado de metástase, com base nas características da lesão primária. No entanto, estudos comparativos começaram a questionar a eficácia dessa abordagem. Não foi evidenciada diferença significativa nas curvas de sobrevida global entre os pacientes submetidos à linfadenectomia eletiva e à linfadenectomia terapêutica. Isso levantou dúvidas sobre a necessidade da linfadenectomia em todos os casos.


Inicialmente, a biópsia do linfonodo sentinela era utilizada para selecionar os pacientes que se beneficiariam da linfadenectomia complementar. No entanto, à medida que avanços significativos na imunoterapia adjuvante se tornaram disponíveis, essa técnica passou a desempenhar um papel importante na identificação dos pacientes que podem se beneficiar desses tratamentos. A biópsia do linfonodo sentinela continua sendo uma ferramenta valiosa, pois envolve a identificação do linfonodo "sentinela", o primeiro a receber a drenagem linfática da área onde o melanoma está localizado. Se o linfonodo sentinela apresentar sinais de metástase, isso pode indicar que o paciente é um candidato adequado para a imunoterapia adjuvante, evitando a necessidade de uma cirurgia mais invasiva e seus potenciais efeitos colaterais.


A biópsia do linfonodo sentinela revolucionou o tratamento do melanoma cutâneo, proporcionando uma abordagem mais precisa e personalizada para cada paciente. Ela permitiu que os cirurgiões identificassem com maior acurácia os casos em que a linfadenectomia é realmente necessária, evitando procedimentos invasivos desnecessários. Além disso, essa técnica contribuiu para uma melhor qualidade de vida pós-tratamento, uma vez que reduz o risco de complicações associadas à remoção extensa de linfonodos e permite selecionar o paciente que irá se beneficiar de uma terapia adjuvante.


À medida que a pesquisa continua avançando e novas técnicas se desenvolvem, a biópsia do linfonodo sentinela continua desempenhando um papel fundamental na melhoria do tratamento e na maximização das chances de recuperação para os pacientes com melanoma cutâneo.




18 visualizações0 comentário

Luiz Fernando Nunes

LEBLON | RIO DE JANEIRO

RUA CARLOS GÓIS 375 - SALA 601

(21) 2512-9667 

  • YouTube
  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
bottom of page