top of page

A biópsia do linfonodo sentinela e a revolução no tratamento do melanoma cutâneo

Quando se trata do diagnóstico e tratamento do melanoma cutâneo, a biópsia do linfonodo sentinela representa uma mudança de paradigma significativa. Antes de sua introdução, era necessário remover todos os linfonodos da área afetada, causando efeitos colaterais significativos. Hoje, com o advento da biópsia do linfonodo sentinela, podemos identificar o linfonodo "guardião" responsável por drenar a área da lesão, oferecendo informações vitais para o prognóstico e determinação do tratamento adequado.




A biópsia do linfonodo sentinela é um procedimento minimamente invasivo que envolve a injeção de um corante ou radioisótopo na área próxima à lesão do melanoma. Esse corante ou radioisótopo será drenado para o linfonodo sentinela, o primeiro linfonodo que recebe a drenagem da área afetada. Esse linfonodo é então removido cirurgicamente e examinado em laboratório para determinar se há células cancerígenas presentes. A presença de células cancerígenas no linfonodo sentinela pode indicar uma disseminação da doença, o que influencia diretamente o prognóstico e o tratamento subsequente.


O papel fundamental da biópsia do linfonodo sentinela no melanoma cutâneo está na capacidade de estratificar pacientes em diferentes categorias de risco. Se a biópsia revelar células cancerígenas no linfonodo sentinela, indica-se uma disseminação microscópica do melanoma. Nesse caso, podem ser necessárias terapias adicionais, como cirurgia adicional ou tratamento com imunoterapia, para combater as células cancerígenas remanescentes e melhorar as chances de sobrevida a longo prazo.


A biópsia do linfonodo sentinela trouxe uma mudança drástica na abordagem do melanoma cutâneo, permitindo uma abordagem mais individualizada e personalizada para cada paciente. Com essa técnica, podemos evitar a remoção desnecessária de linfonodos e reduzir os efeitos colaterais associados. Além disso, a biópsia do linfonodo sentinela oferece informações essenciais sobre o estágio da doença, influenciando diretamente o plano de tratamento e o prognóstico. Não podemos subestimar o impacto desse avanço tecnológico no cuidado de pacientes com melanoma cutâneo, representando uma verdadeira revolução na luta contra essa doença.



23 visualizações0 comentário

Luiz Fernando Nunes

LEBLON | RIO DE JANEIRO

RUA CARLOS GÓIS 375 - SALA 601

(21) 2512-9667 

  • YouTube
  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
bottom of page